quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Apontamentos pequeninos sobre a economia*

Lá estou eu novamente a dissertar sobre assuntos sobre os quais não possuo lá muita informação. Em vez disso tenho o conhecimento. Desta feita, sobre economia e o estado da arte. Não é arte de artista – quer dizer, até nestas áreas existem alguns, há até quem chame quem chame determinadas áreas que deveriam ser 2+2=4 de contabilidade criativa e coisas dessas – mas o state-of-the-art traduzido para a língua de Camões (a nossa, para os mais distraídos).

Em economia, existe um palavrão que mete medo (ou pelo menos deveria) a todos; senhoras e senhores, tal palavra é estagflação. (para quem percebe estrangeiro e está minimamente curioso, poderá também espreitar aqui, aqui e aqui).

Estagflação é uma daquelas palavras híbridas tipo fantabuloso... ou espantástico, só que ao contrário, porque é mau sinal. Trata-se da pior situação em que uma economia pode estar, caracterizada pela falta de crescimento económico (estagnação) e por uma constante e acentuada subida dos preços (inflação).

OK, há piores coisas na vida, sim, tudo é relativo. Mas, afinal de contas, qual é o problema exactamente? Ora, as medidas que poderão ser tomadas para resolver um problema, necessariamente aumentam o outro, e vice-versa.
Trocado por miúdos: para estimularmos (gosto do verbo estimular, acho... estimulante!) o crescimento económico, baixamos as taxas de juro; isto representa um incentivo ao consumo, aumenta o PIB (lá está, temos crescimento) e tal... mas gera pressões inflacionárias (aumento de preços). Se baixarmos a taxa de juro, fica mais caro pedir dinheiro, existe menor incentivo ao consumo, controla-se melhor os preços, mas o crescimento económico... pois... temos pena...

Que posso dizer? Hum, vem aí chatice...



A música não tem nada a ver com o post, mas eu nunca disse que era uma tipa coerente.

Pois é, pois é... há quem viva escondido... a vida intei...iei.ei..ra... Jorge Palma nos seus bons tempos (ainda não teria a cabeça consumida pela preocupação com a estagflação... ou outras cenas alucinogénias...)

* É que não me apetece trazer a público a minha opinião sobre uns discursos e uns eventos que ouvi por aí, para os quais fui convidada e fiquei a saber que eu e mais cerca de 1.000 gajos como eu não existem... e coisas afins... basta acrescentar as letrinhas Inov e passa a ser uma nova criação vinda do nada... e tal... deixem lá isso, fica o pseudo-apontamento de economia geral...

3 comentários:

Vitor disse...

Ah pois!

É que é mesmo isso...
Mas venderam o Simão Sabrosa e agora não há Cá macho!

Ok Piada rasteira...

"Se baixarmos a taxa de juro, fica mais caro pedir dinheiro, existe menor incentivo ao consumo..." acho que não era bem isto que pretendias dizer, mas se foi, parabéns. Já ouvi pessoas a dizer coisas bem piores!

tavguinu disse...

"Se baixarmos a taxa de juro, fica mais caro pedir dinheiro, existe menor incentivo ao consumo, controla-se melhor os preços, mas o crescimento económico... pois... temos pena..."

ena já há uns que não oiço os discursos do PCP, AHHHH percebi-te... pois os lucros dos bancos aumentam... pois esta sociedade capitalista é assim !

Actriz Principal disse...

Vitor e Tavguinu,

Deixem lá isso. Quase que aposto que há por aí uns senhores que até seriam capaz de provar o que escrevi...
Têm toda a razão, a segunda frase tenta explicar como se podem controlar os preços através do aumento das taxas de juro, já que a primeira explica como se pode estimular o crescimento económico através da descida das mesmas... e respectivas consequências. O problema foi mesmo andar distraída.